Como calcular a abertura do diafragma...

Dando início a essa seção de perguntas e respostas aqui no blog, o Mateus Marx mandou um email para pergunte@leoneves.net com uma pergunta que não é fácil de responder. Principalmente porque não existe uma resposta precisa. Vamos a ela:

"Qual é exatamente a abertura do diafragma correta quando usamos um flash Canon 580EX II, de número guia 58, com um octa de 150cm, em carga máxima (1/1) a 1m de distância do modelo para um retrato?"

Em primeiro lugar, não existe uma abertura "correta". Tudo vai depender de uma série de fatores, inclusive o gosto pessoal. Iluminação é igual carne (que os veganos me perdoem pelo exemplo). Tem gente que gosta de carne bem passada. Outras pessoas preferem ao ponto. E ainda tem aqueles que querem um filé suculento bem vermelho. Na fotografia acontece o mesmo. Eu tenho a tendência de fazer imagens com mais contraste, às vezes até um pouco subexpostas. Outros fotógrafos vão preferir superexpor a foto e posicionar a luz de forma diferente. Então, a primeira coisa é encontrar o caminho que você se sente confortável e, mais importante, fugir das verdades absolutas. Não acredite em fotógrafo dono da verdade que quer impor o seu jeito de fazer as coisas. Toda regra nada mais é que um guia, uma referência. Não é dogma religioso.

Uma vez que você já sabe o que quer para o seu trabalho, vamos aos cálculos do diafragma. O número guia está diretamente relacionado à potência usada e ao zoom da cabeça, de acordo com uma tabela que está no manual de instruções de cada flash e geralmente considera ISO 100. Essa tabela é apenas um referencial, um ponto de partida para decidirmos o que vamos fazer com a luz. No caso do Canon 580RX II, a tabela do número guia é a seguinte:

_1-3.jpg

Perceba que 58 é o número (em metros) referente a carga máxima (1/1) e zoom 105mm (o número que aparece logo depois, 190.3, é para o cálculo em pés, pode deixar pra lá). Resumindo a história (que é melhor contada aqui), significa que para usar o flash Canon 580EX II a 1m de distância, carga máxima (1/1), zoom 105mm sem nenhum acessório, o valor do diafragma será f58. Esse é o seu ponto de partida para essas condições. Com um octa desse tamanho todo, com certeza você está perdendo bastante luz, e não é possível que eu diga exatamente quanto sem usar esse acessório. Isso vai depender do material do octa, de quantas camadas ele tem, etc. Você precisa fazer testes com ele para descobrir o quanto de luz você perde. Vamos supor que a perda seja de 3 pontos (tudo especulação, hein!). Perceba que, pela tabela, se usarmos o flash sem acessório nos mesmos 105mm de zoom diminuindo 3 pontos na carga (1/8), chegamos ao número guia 20.5. Isso significa que, com um acessório que tira 3 pontos de luz, vou usar como referência a linha da carga 1/8 na tabela, mesmo com o flash em 1/1 (lembre-se que estamos fazendo tudo com menos 3 pontos de luz).

Como você está usando seu flash com um acessório grande, sugiro que você não concentre o zoom em 105mm. Dá uma olhada lá na tabela mais uma vez. Para 24mm o número guia na linha 1/8 é 9.9. Isso significa que seu ponto de partida nesse caso será f9.9 (que não existe, então a gente arredonda para f10) para ISO 100, carga máxima (1/1), e 1m de distância. Faça uma foto usando f10 e veja se te agrada. Se não, não se desespere! Como eu disse, a tabela é só um ponto de partida. A partir dessa foto é que você vai começar a fazer a sua luz, e não a luz que os engenheiros da Canon te mandaram fazer.

Um aparelhinho mágico que elimina todo esse trabalho é o fotômetro. Ele já vai te dizer o diafragma que você deve usar como ponto de partida, e você pode até calibrar o fotômetro para o seu gosto (sub ou superexpondo a foto).

Se eu posso deixar algum conselho depois de todo esse texto enorme, o conselho é: não se prenda ao que diz esse texto enorme. Pensando em mercado, é muito importante conhecer técnicas, regras e macetes. Mas eu venho preferindo tentar superar toda essa neura com a técnica e meter a mão na massa para fazer, errar e descobrir caminhos diferentes. Se a gente nunca passar dessa fase, corre o risco de acabar a vida discutindo o trabalho dos outros no Facebook em vez de fazer o que curte.