Gelatinas e Coisas Light

No último final de semana rolou uma oficina em um lugar que tem se tornado cada vez mais  importante para a fotografia brasileira, o Ateliê Fotô. É lá que nascem livros, exposições, e muita coisa bacana que movimenta o cenário da fotografia nacional. É lá também onde acontecem os grupos de estudo e criação em fotografia coordenados por Eder Chiodetto, Fabiana Bruno e Fernando Schmitt, que ajudam a amadurecer o processo de criação dos fotógrafos que participam e discutem a edição, a estética e o conceito dos trabalhos de cada um.

O Ateliê tem uma biblioteca cheia de referências que a gente pode mergulhar durante a aula e reproduzir nos exercícios práticos. E aí o pessoal foi pirando e cada um colocando a mão na massa e fazendo a sua luz.

atelie foto blog.jpg

Este exemplo é bom para voltar a falar de uma dúvida que eu sempre ouço por aí: qual é a diferença entre a sombrinha difusora e o softbox?

Como você pode ver, o flash que está na sombrinha difusora está com a gelatina verde, e o que está no octa (que, exceto pelo formato, é basicamente o mesmo que um softbox) ficou com a gelatina laranja. Observe bem o fundo. Era uma parede branca, mas parece verde na foto. Isso acontece exatamente porque a sombrinha difusora espalha luz para todos as direções, iluminando não só o assunto da foto, mas também o fundo. O que não acontece com o softbox, que, nesta posição, vai iluminar apenas o assunto, sem influência no fundo.

Obrigado ao Eder Chiodetto que abriu as portas do Ateliê pra gente e à Raquel Santos que ajudou na organização e emprestou seus dreads para essa foto.