O Danado do Fotômetro

A pergunta de hoje foi feita pelo Rubens Martins:

Como medir a luz corretamente? Para que o branco seja um branco de verdade e negro seja negro. Expor a +2 ou -2... em que situações por exemplo; uma pessoa de pele escura e outra de pele clara, em interiores com pouca luz, etc...

Essa é uma dúvida muito comum e a resposta é relativamente simples. Como medir a luz corretamente? Com bom senso. A gente precisa, antes de tudo, olhar para o fotômetro como um instrumento de medida que nos mostra um referencial, e não como um deus impiedoso que exige obediência cega. Imagine uma balança. Quando nos pesamos a balança nos responde com um número que é quanto nosso corpo pesa naquele momento. Isso não quer dizer que esse é nosso peso ideal. A balança nos dá uma referência e à partir dessa informação a gente pode decidir se pode comer aquele cheese bacon com fritas e refrigerante, ou se seria melhor pedir uma salada com suquinho de lichia sem açúcar (blergh).

O fotômetro funciona de forma parecida. Como o próprio nome sugere, é um instrumento que mede a luz. Assim como a balança, ele nos responde com uma informação que deve ser apenas um referencial, um ponto de partida para tomar uma decisão. O que a gente deve considerar é para onde esse referencial aponta. O fotômetro quer sempre nos levar a um resultado que seja mais próximo do famoso cinza médio. Então, com o fotômetro zerado, não importa se você está fotografando uma parede branca ou um tecido preto, a foto será o mais próximo possível do cinza.

Aí entra o seu bom senso. Se você sabe que em uma situação com muito branco, ou cores claras, o fotômetro vai indicar que você deve deixar menos luz entrar (para a situação ficar mais próxima do cinza), você é quem precisa identificar a necessidade de "desobedecer" o fotômetro e deixar entrar mais luz. Quanto a mais? Depende da situação, das cores, do modo de medição, etc.

Eu poderia escrever vários parágrafos sobre o assunto, mas qualquer coisa seria redundante depois de uma série de nove artigos que o Armando Vernaglia escreveu para o site Fotografia DG. É bem legal e cobre vários assuntos sobre fotometria. Então deixo você com o link para o primeiro artigo da série. Melhor que copiar texto dos outros como a gente vê por aí de vez em quando, não é verdade?