Sincronismo em alta velocidade (High Sync / Auto FP)

No último sábado rolou o primeiro curso pelo projeto Oficinaria, "O Danado do Flash TTL", no Rio. Também foi a primeira oficina que eu fiz falando exclusivamente do modo TTL. A galera viu que é possível, sim, confiar na leitura do TTL quando você sabe o que está fazendo. Eu já falei sobre o TTL aqui no blog, então sugiro que você leia esse post se não sabe muito bem do que se trata.

O que a gente vai dar uma olhada aqui é o sincronismo em alta velocidade, o "high sync" (Canon), ou "auto FP" (Nikon). Nossas câmeras tem uma limitação mecânica que chamamos de velocidade de sincronismo. É o menor tempo que a câmera consegue fazer o sensor estar completamente exposto para receber a luz do flash. Se passarmos dessa velocidade (geralmente 1/250, mas depende do modelo da câmera) a segunda cortina começa a fechar antes que a primeira se abra completamente. O resultado é uma tarja preta na foto, causada pela segunda cortina começando a fechar e bloqueando parte do sensor. Difícil de entender? Talvez um desenho ajude:

exemplo-high-sync

Quando acionamos o sincornismo em alta velocidade, o flash divide sua carga em vários disparos muito rápidos, imperceptíveis. Parece que é só um disparo do flash, mas, na verdade, são muitos (lembre-se que estamos falando de uma foto feita a menos de 1/250 segundo!).

Qual a aplicação prática disso? Vamos ver algumas fotos de exemplo:

DSC_0974-baixa

Atrás do amigo Alexandre Ferreira (hipster do dia) tem uma janela iluminando uma parte da lateral do rosto dele. Eu queria aproveitar um pouco dessa luz, mas não muito. O problema é que além de querer usar só um pouco dessa luz ambiente, eu queria também uma profundidade de campo bem curta, para desfocar a orelha e fundo, então usei f1.8, o que aumentou a influência da luz ambiente:

DSC_0973-baixa

A câmera já estava no menor ISO nativo (200) e na velocidade de sincronismo (1/200). A única opção para diminuir a luz da janela seria aumentar essa velocidade, o que tornaria impossível iluminar a foto com flash, se não existisse o sincronismo em alta velocidade.

Depois de acionar o Auto FP, foi possível aumentar a velocidade para 1/640, o que permitiu que eu conseguisse a mesma luz sutil na lateral e ainda assim iluminar a foto com o flash, sem aquela tarja preta causada pela segunda cortina fechando.

Oficinaria---Rio

A melhor parte dessa oficina foi o motivo. Toda a renda foi direto para a conta de um projeto de construção de uma biblioteca em uma comunidade da Zona Sul de São Paulo. Foi o primeiro passo dado em direção à meta de 30 mil reais que a Oficinaria lançou no início do mês. Agradeço muito ao pessoal da Comuna, que cedeu o espaço, e à equipe da emotion.me, que também doou um pouco do seu tempo e foi posar  para algumas fotos.